Arquivo da Tag: "GRAMPOS"
02
08

Deputada não aceita que CPI seja instaurada após eleições

janaina rivaPor HiperNotícias

 

Por conta da ausência na capital de alguns deputados que já confirmaram que assinarão o requerimento para abertura da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar os grampos ilegais em Mato Grosso e a participação de autoridades do Poder Executivo, do Judiciário e do Ministério Público neste crime, a deputada estadual Janaina Riva (MDB) anunciou que o documento será apresentado na próxima sessão plenária, marcada para o dia (07). Janaina anunciou ainda que não vai aceitar que a instalação da CPI seja feita somente após as eleições, como foi cogitado na sessão matutina.

 

“Quero deixar claro que não existe nenhum acordo para que essa CPI seja apreciada somente pós-eleições. Cada um dos parlamentares aqui tem legitimidade para propor uma CPI e para recolher as assinaturas para que se faça uma séria comissão parlamentar de inquérito para tratarmos desse tema que pra mim não é novidade, mas que agora veio à tona a participação direta do governador Pedro Taques, através da confissão do cabo Gerson. O requerimento de abertura da CPI só não está sendo apresentada porque alguns dos colegas que vão assinar não estão presentes na capital, mas semana que vem nós vamos apresentar a CPI. Se os demais colegas quiserem assinar serão bem vindos, mas nós já temos número suficiente para apresentar”, declarou ela durante fala na tribuna.

 

(mais…)

09
02

Decisão de Conselho Militar tira coronel Zaqueu da cadeia após 264 dias encarcerado

Foto: Alan Cosme/ Hipernotícias

Por Max Aguiar e Jessica Bachega

Hipernotícias

 

Ao término de quase nove horas do primeiro dia de audiência do caso dos grampos telefônicos ilegais, o coronel da Polícia Militar e ex-comandante da instituição, Zaqueu Barbosa, que estava preso há 264 dias, deixará a carceragem do Centro de Formação e Aperfeiçoamento de Praças da PM (Cefap) e aguardará o processo em prisão domiciliar.

 

 

Zaqueu também será monitorado por tornozeleira eletrônica. Ele recebeu votos favoráveis do Conselho Militar, que foi contrário ao apelo do Ministério Público. O promotor Allan Sidney do Ó, colocou a situação de ter outras testemunhas para serem ouvidas na ação e o fator das ameaças contra as testemunhas como motivos para a prisão se manter. (mais…)

27
09

MT: Coronel Siqueira e mais oito são presos em operação da Polícia Civil

1Por Hipernotícias

A Polícia Civil deflagrou na manhã desta quarta-feira (27) mais uma operação contra envolvidos no esquema de grampos em Mato Grosso. Um dos alvos de prisão seria o coronel Airton Benedito Siqueira Júnior, secretário da Casa Militar de Cuiabá. A informação foi confirmada pela delegada Ana Cristina Feldner, responsável pelas investigações no âmbito da Polícia Civil.

 

LEIA A MATÉRIA NA ÍNTEGRA AQUI.

 

 

22
08

Corrupção na Arena Pantanal é revelada

Em um de seus vários despachos, a juíza Selma Rosane Santos Arruda afirmou que a organização criminosa chefiada pelo ex-governador Silval Barbosa (PMDB) “não poupou nenhum órgão da administração pública”. A declaração da magistrada tem se mostrado acertada à medida em que novos episódios de corrupção são descobertos.

 

Taxa de 3%

Nesta segunda-feira (21) veio a público a informação de que o peemedebista confessou ter desviado recursos nas obras da Arena Pantanal, estádio construído para a Copa do Mundo de 2014. A construtora responsável pela obra teria pago 3% do valor total do estádio, algo em torno de R$ 18 milhões.

 

Com ajuda

Silval teria contado com a ajuda de dois de seus ex-secretários para operacionalizar o negócio, cujos recursos foram usados para a quitação de dívidas e financiamento de campanhas: Eder de Moraes Dias e Maurício Guimarães. Os dois tiveram passagens pela extinta Secopa.

 

Processo

Guimarães e Eder negaram as acusações e o segundo afirmou, por meio de nota, que irá acionar o ex-governador na Justiça por conta das vezes em que foi citado no acordo de delação firmado pelo peemedebista com a Procuradoria-Geral da República (PGR).

 

Problema antigo

Desde o fim da Copa do Mundo, quem frequenta a Arena Pantanal sente falta do funcionamento dos telões e do sistema de áudio que foram instalados por um consórcio de duas empresas. Soube-se agora, por Silval, que uma das empresas pagou propina ao deputado Romoaldo Júnior (PMDB), que nega a acusação.

 

Sem moral

A preocupação em arrecadar propina, além de retirar o foco na fiscalização da obra, sobretudo no que se refere à qualidade, retira do gestor qualquer condição de cobrar por problemas sérios. O resultado disso é o que vemos hoje, um estádio completamente deteriorado, com falhas estruturais e um custo elevadíssimo de manutenção.

 

Pé de guerra

O clima dentro do Ministério Público Estadual (MP) está bastante pesado. Os procuradores Mauro Viveiros e Paulo Prado tiveram uma áspera discussão quando era debatida a criação de novos cargos no órgão ministerial. A turma do “deixa disso” teve que intervir.

 

Briga antiga

Não é de hoje que Viveiros e Prado se estranham nos corredores do MP. Os dois encabeçam grupos antagônicos de promotores e procuradores e esta disputa se acirra a cada dois anos, quando é formada a lista tríplice para definição do novo (a) procurador(a)-geral de Justiça.

 

Efeito grampos

Há quem diga que o novo acirramento se deu por conta do esquema de escutas telefônicas clandestinas, que por enquanto está no âmbito da PM, mas pode atingir alguns promotores de Justiça.

 

Veneno

O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB) usou o funcionalismo público para se eleger nas eleições do ano passado. Agora, está prestes a provar do próprio veneno, enfrentando uma paralisação dos funcionários da rede municipal de ensino. Por enquanto, os trabalhadores pretendem parar por apenas dois dias, mas se não houver avanço pode ocorrer uma greve por tempo indeterminado.

01
08

Blog do Mauro no Hipernotícias

 

Marcel, o novo homem-bomba dos grampos

É grande o rumor de que o ex-secretário Marcel Souza de Cursi vai detonar mais uma grave crise no já tumultuado episódio dos grampos. Nesta semana, ele deve falar sobre uma suposta quebra de sigilo fiscal, cometida dentro da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz/MT), há alguns anos.

 

Quem mandou

No depoimento, Cursi deverá apontar membros do Ministério Público Estadual (MP), que teriam quebrado sigilos de membros do Poder Judiciário, incluindo juiz, desembargador e até pessoas próximas a um membro de Corte Superior.

 

Mais problemas

Um magistrado que teria sido vítima das supostas quebras, inclusive, já possui em mãos documentos que comprovariam a prática, segundo fontes da coluna. Resta saber se haverá e qual será o andamento de tais denúncias.

 

Sindicância

A denúncia que deverá ser feita por Cursi não é novidade nos corredores da Sefaz/MT. Por lá, tramita uma sindicância, aberta no ano passado, exatamente para apurar tais práticas, quando o ex-secretário revelou tais informações ao ser interrogado em uma ação penal decorrente da Operação Sodoma.

 

Comum

Sobre este assunto, quebras clandestinas de sigilo, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, afirmou que casos deste tipo estão sendo descobertos em vários Estados, inclusive no Distrito Federal.

 

Mesmo tom

De passagem por Cuiabá, Mendes manteve o tom crítico quanto a alguns aspectos da atuação do Ministério Público Federal (MPF), no âmbito da Operação Lava Jato. Ele criticou, por exemplo, as conduções coercitivas, fruto, segundo Mendes, de um “direito achado na rua”, sobretudo quando envolvem pessoas que sequer haviam sido intimadas a prestar esclarecimentos.

 

Averiguação

O ministro destacou que em Portugal, ao ser questionado por colegas sobre o fato, ouviu deles que lá, assim como em muitos países, a condução coercitiva é conhecida como prisão para averiguação, ou seja, tem os mesmos efeitos de uma prisão, o que é grave sobretudo quando se tratam de pessoas inocentes.

 

Revisão

Mendes pontuou ainda que algumas delações, com graves falhas, como a fixação de penas feita pelos próprios procuradores e promotores, devem ser revistas em breve. Na lista estão o ex-senador Delcídio do Amaral, Ségio Machado e os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS.

 

E os outros?

Aliás, não custa nada perguntar, quais são os outros 1,9 mil políticos citados pelos executivos da JBS e quais foram os andamentos das investigações contra eles? A sociedade precisa saber.

 

Segunda instância

Outra questão que em breve será debatida no Supremo, adiantou o ministro, é a prisão de condenados após decisão de segunda instância, que foi autorizada pelo STF, mas conta ainda com muitas controvérsias, que precisam ser melhor discutidas.

11
07

Suposta delação ‘bagunça’ cenário político

Revelada pelo jornal O Estado de S. Paulo, a suposta delação premiada do ex-deputado José Geraldo Riva tem tudo para dificultar ainda mais qualquer prognóstico da corrida eleitoral do ano que vem. Conforme o jornal, um dos casos que teriam sido relatados por ele atinge em cheio o ministro Blairo Maggi (PP), que deverá tentar a reeleição ao Senado.

 

Desistência

A possível candidatura à presidência não está descartada, mas até se quiser buscar mais oito anos de Senado o ministro Blairo Maggi terá que ver superadas as notícias negativas envolvendo seu nome . A amigos, inclusive, ele teria confidenciado que poderia desistir da política e voltar ao mundo corporativo, onde é um empresário de sucesso.

 

Sem delação

Já Riva, por meio de seu advogado, negou que tenha feito qualquer tipo de acordo com a Procuradoria-Geral da República (PGR), classificando a informação como mentirosa. Vale lembrar que o ex-secretário Pedro Nadaf passou meses negando uma delação, hoje homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Desespero

Observa-se que existe um enorme esforço de incluir Blairo Maggi nas delações premiadas, como forma de garantir a homologação de um acordo. Oproblemaé que não basta denunciar. É preciso apresentar provas. Blairo tem a imagem arranhada pela midia negativa, mas está longe de ser considerado culpado pelos fatos a ele atribuidos em delações não confirmadas.

 

Tirando o foco

O promotor de Justiça Mauro Zaque acusou o secretário de Justiça, Airton Benedito Siqueira Júnior, de tentar desviar o foco no caso dos grampos clandestinos. Para ele, a inclusão nos autos de informações relativas a 2007 não guarda nenhuma relação com a investigação atual.

 

Clima ruim

Dentro do Ministério Público Estadual (MP) o clima passa longe de ser bom. Ninguém tem mais dúvidas que algumas figuras graúdas do órgão acabarão chamuscadas por conta da investigação dos grampos. Dois grupos travam uma batalha silenciosa na tentativa de controlar as ações.

 

Unidos

Por outro lado, entre os membros do Tribunal de Justiça, há a clara percepção que as acusações contra o desembargador Orlando Perri atingiram todo o Judiciário. Pelo menos em um primeiro momento, estão todos unidos na defesa do magistrado.

 

Troca de farpas

A situação do presidente Michel Temer (PMDB) tem causado ruídos entre políticos de partidos aliados em Mato Grosso. Um senador e um deputado federal não escondem de mais ninguém as divergências, a um passo, inclusive, de se tornarem ofensas.

 

Delação

Depois de Pedro Nadaf, o procurador aposentado Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o Chico Lima, está perto de fechar um acordo de delação premiada com o Ministério Público Estadual (MP). Além da confissão, novidades fazem parte do pacote.

 

Mudança

A crise no cofre da União poderá representar uma mudança no quadro societário da Águas Cuiabá. A BNDES Par pode tirar o time de campo e ser trocada por um novo investidor que pode aportar na sociedade R$ 70 milhões de cara.

 

Novela sem fim

Por falar em Águas Cuiabá, empresa que pode assumir o saneamento da Capital, já passou da hora do prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB) resolver a questão. Sem experiência no Executivo, o político tem confundido, neste e em outros episódios, segurança com letargia.

07
06

Blog do Mauro no Hipernotícias

 

Samba do crioulo doido

A enorme confusão causada pelas investigações de uma central telefônica clandestina atingiu agora a Operação Sodoma. A defesa do ex-secretário Marcel Souza de Cursi, em mais uma medida desesperada, tenta anular toda a investigação, sob o argumento de que ele teria sido grampeado ilegalmente. Até o momento, não há nenhuma indicação neste sentido.

 

Confusão

Preso por conta das investigações da “grampolândia” o coronel Zaqueu Barbosa terá seu habeas corpus julgado, no mérito, pela 1ª Câmara Criminal. O problema é que um dos integrantes do colegiado é ninguém menos que o desembargador Marcos Machado.

 

Suspeição

Há pouco menos de dois anos, o desembargador teve revelada uma conversa telefônica mantida com o ex-governador Silval Barbosa (PMDB).  Por conta disso, Machado já anunciou que irá processar a juíza Selma Rosane Santos Arruda e integrantes do Gaeco, afirmando ter sido grampeado ilegalmente. Logo, ele tem que se declarar suspeito e não julgar Barbosa neste caso.

 

Falando grosso

Em meio às discussões sobre o uso do Fethab na Saúde, o presidente da Assembleia Legislativa, Eduardo Botelho (PSB), decidiu falar grosso. Ele defendeu o uso dos recursos e afirmou que o agronegócio não é dono dos recursos.

 

Preocupação

O funcionalismo público está apreensivo depois das declarações do secretário de Fazenda, Gustavo de Oliveira. Se por um lado ele tranquilizou a todos negando que o governo pagará os salários apenas no final do mês, por outro disse que só na tarde da quinta-feira (8) saberá se consegue quitar a folha na sexta.

 

Última chance

O juiz federal Ciro José de Andrade Arapiraca deu prazo de cinco dias úteis para que Estado, Consórcio VLT e Ministério Público se entendam quanto à minuta de acordo elaborada em março. Esta é a última chance de que haja um acordo entre as partes, antes de uma decisão por parte do magistrado.

 

Ajustando os ponteiros

Foi até altas horas a reunião entre integrantes do governo e dirigentes do consórcio responsável pelas obras do VLT. Uma fonte da coluna afirmou que alguns pontos foram ajustados, mas que as “inconsistências” apontadas pelo MP são “respondíveis e superáveis”.

03
06

Blog do Mauro no Hipernotícias

 

Alhos com bugalhos no serviço de arapongagem

A investigação de uma central de monitoramento clandestina em operação em Mato Grosso tem causado uma enorme confusão nos trabalhos legítimos, realizados pelos serviços de inteligência.

 

Coisas diferentes
Uma coisa é o caso envolvendo a Polícia Militar, cujas primeiras informações dão conta da inclusão, por parte de praças e oficiais, de nomes de pessoas que não possuem relação com investigações em andamento, inclusive com, segundo relatos, um imóvel usado como escritório.

 

Caso pontual
Outra bem diferente é a investigação envolvendo uma ameaça de morte ao governador Pedro Taques (PSDB), relatada pelo ex-secretário Paulo Taques e investigada pela Polícia Civil.

 

A quem?
A pergunta que fica, tão logo se separam os casos é: a quem interessa confundir alhos com bugalhos, militares e civis, uma investigação arquivada e um escritório de arapongagem? O tempo dirá.

 

Juntando os cacos
Depois do balde d’água fria que foi a manifestação do Ministério Público, o governo junta os cacos e começa a preparar as explicações aos pontos do acordo com o Consórcio VLT questionados pelo órgão ministerial.

 

Não é difícil
Fonte da coluna que está acompanhando o processo relata que depois do impacto inicial, a avaliação é que não é muito difícil explicar as discrepâncias entre a minuta do acordo e o que defende o MP. O otimismo está voltando.

 

Menos zonas
Proposta do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deve resultar na redução de zonas eleitorais em Mato Grosso. O estrago seria maior se o critério anteriormente estabelecido fosse mantido, com a extinção de nada menos que 22 das 60 zonas existentes.

 

Caneta pesada
A juíza Selma Rosane Santos Arruda parece ter voltado atrás no desejo de se aposentar daqui a alguns meses. Ela revelou que sente que ainda há lutas a serem travadas no Judiciário, adiando assim o sonhado e merecido descanso. Em breve, ela deverá proferir as primeiras contra o ex-governador Silval Barbosa (PMDB).

 

Perdido
O prefeito de Cuiabá, Emanuel Pinheiro (PMDB) tem sido rotulado por pessoas próximas e nem tanto como um gestor perdido. Entrando no sexto mês de gestão, ele não apresentou até o momento nenhum projeto de impacto, não solucionou os gargalos deixados, como a licitação do transporte coletivo e a questão da CAB e nem iniciou o cumprimento das promessas de campanha.

 

Na conta em breve
O governo reafirmou que fará o pagamento da folha dos servidores até o próximo dia 10, prazo previsto pela legislação. Rumores entre o funcionalismo davam conta da realização de um escalonamento, por conta do uso de recursos para amenizar o caos na Saúde. Tal informação foi negada pelo Estado.

02
06

Blog do Mauro no Hipernotícias

 

Balde de água fria no acordo do VLT

Fontes ligadas ao Palácio Paiaguás afirmam que a manifestação dos Ministérios Público Federal e Estadual contra a minuta de acordo envolvendo o Consórcio VLT não era esperada. Tão logo tomaram conhecimento da íntegra do documento, os integrantes do governo não escondiam o abatimento com a informação.

 

Pés pelas mãos

Entre as reações ao problema, a pior foi a do secretário de Cidades, Wilson Santos (PSDB), que acusou o MPF de sonegar a informação que dá conta que uma perícia feita pelo MP Estadual teria chegado a um valor semelhante. Horas depois, o MPF emitiu nota negando a informação e detalhando a planilha de custos.

 

Mal estar

Nos bastidores, as afirmações de Wilson podem representar um endurecimento por parte dos MPs na busca por um consenso que assegure a homologação do acordo. No MPF, por exemplo, as declarações não caíram nada bem.

 

Muito trabalho

O fim de semana será de muito trabalho para os técnicos da Procuradoria-Geral do Estado (PGE) e da Secretaria de Estado de Cidades (Secid). A intenção é analisar o documento em suas minúcias e já no início da próxima semana apresentar à Justiça argumentos que possam embasar a homologação do acordo.

 

Novela

A grampolândia pantaneira gera, a cada dia, novos capítulos que tornam a história cada vez mais rocambolesca. Certo é que as investigações acirraram os ânimos entre os diversos grupos que compõem as Polícias Civil e Militar de Mato Grosso.

 

Guerra Fria

Entre os poderes, a situação é a mesma. Há neste momento uma batalha de bastidores sendo travada. O pior, para a população, é que não há como separar mocinhos de bandidos.

 

De carona

Flagrado em uma ligação telefônica com o ex-governador Silval Barbosa (PMDB), o desembargador Marcos Machado decidiu pegar carona e afirmou que irá processar integrantes do MP e a juíza Selma Rosane Santos Arruda sob a alegação de que foi vítima do esquema conhecido como “barriga de aluguel”.

 

Sem resposta

A Associação do Ministério Público não deixou os ataques de Machado sem resposta. Seu presidente, Roberto Turin, emitiu uma nota de repúdio às declarações proferidas por Machado ao anunciar a ação.

 

Manchete não conta

Em meio à troca de acusações, o governador Pedro Taques (PSDB) descarta, ao menos por ora, afastar os coronéis Siqueira Júnior e Lesco por conta da citação aos nomes dos dois nas interceptações telefônicas clandestinas. Como se diz no futebol, eles seguem “prestigiados”.

 

Gerentona

Esquecida e apagada, a Câmara Municipal de Cuiabá vive uma guerra particular. Vereadores questionam atos tomados por uma servidora de confiança do presidente da Casa, Justino Malheiros (PV). Até mesmo fofocas e intrigas estão no pacote de ações atribuídas à funcionária.

01
06

Blog do Mauro no Hipernotícias

 

MPE e MPF contrários ao acordo do VLT

Os Ministérios Públicos Federal e Estadual anunciaram que são contra o acordo firmado entre o Governo de Mato Grosso e o Consórcio VLT. Os procuradores e promotores responsáveis pela análise do caso alegam a existência de valores inconsistentes no termo.

 

Tudo a perder

A postura dos órgãos ministeriais pode colocar a perder a maior chance de redenção do governo Pedro Taques (PSDB), que é exatamente a retomada das obras do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). O apoio de 70% da população à conclusão da implantação do metrô de superfície pode ser importante em 2018.

 

Prejuízo

Embora seja compreensível a preocupação com o dinheiro público, os procuradores e promotores não estão mensurando o prejuízo que a paralisação eterna da obra traz à população, cansada de ver as duas principais cidades de Mato Grosso “rasgadas” com enormes cicatrizes.

 

Tudo certo

Depois de analisar cuidadosamente a manifestação dos MPs, o Governo de Mato Grosso reafirmou seu compromisso com a legalidade, assegurando que qualquer pagamento ao consórcio só será efetivado mediante a comprovação da prestação do serviço.

 

Quase igual

Além disso, uma auditoria feita pelo Ministério Público Estadual (MPE) afirmou que o valor devido ao consórcio é de R$ 920 milhões, só 0,13% abaixo dos R$ 922 milhões acordados entre as partes.

 

Com Perri

Fontes da coluna afirmam que será o desembargador Orlando Perri o responsável por detonar uma grande bomba no episódio das interceptações clandestinas de Mato Grosso. A conferir.

 

Casa arrumada

Já se preparando para receber matérias importantes, os deputados estaduais começaram a limpar a pauta. A expectativa é que ainda nesta semana comecem a tramitar mensagens importantes para o Executivo, como as mudanças no Fethab, o empréstimo para as obras do VLT e a Revisão Geral Anual (RGA) dos servidores.

 

Com a maioria

Por falar em Fethab, o governador Pedro Taques (PSDB) acerta em tomar as rédeas da destinação dos recursos, pagos pelo agronegócio. Ao invés de construir estradas para beneficiar alguns, o tucano opta por amenizar o caos na Saúde, vivido por milhares, inclusive funcionários dos barões do agro.

 

Enfim a delação

Aos 45 minutos do segundo tempo, o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) decidiu confessar sua participação na cobrança de propina do empresário João Batista Rosa, descoberto na primeira fase da Operação Sodoma. O processo, em fase de alegações finais, foi parado para um novo interrogatório de Silval, no dia 13 de junho.

 

Efeito cascata

A mudança na estratégia de defesa de Silval mexeu na segunda instância do Tribunal de Justiça. O desembargador Rondon Bassil voltou a fazer parte do colegiado que analisa recursos relativos à investigação com a saída do filho dele, Leonardo Moro, da defesa de Silvio Cezar Correa Araújo, ex-chefe de gabinete de Silval.

Publicicade

Publicicade