Arquivo da Tag: "DELAÇÃO"
21
09

Taques X Perri: Guerra declarada

A decisão do desembargador Orlando de Almeida Perri de afastar do cargo o secretário de Segurança, Rogers Jarbas, e determinar que ele seja monitorado por uma tornozeleira deflagrou a guerra entre o magistrado e o governador Pedro Taques (PSDB), que irá acionar o desembargador no Conselho Nacional de Justiça (CNJ).
Apoio
Ao seguir para o Fórum para a colocação da tornozeleira, Jarbas contou com o apoio de diversos delegados e policiais civis que seguiram com ele. Desnecessário dizer que a crise institucional existe, é grave, profunda e de difícil resolução.
Vaiados
Por outro lado, o delegado Flávio Stringueta, que havia se distanciado das investigações da Grampolândia, foi vaiado no Fórum pelos mesmos apoiadores do secretário afastado. Algo que precisa ser esclarecido é se este afastamento permanece ou se ele está atuando na investigação.
Parcial
Cancelando agenda no interior do Estado, Taques foi duro ao falar de Perri. Ele classificou o desembargador como parcial e a decisão contra Jarbas de esdrúxula e absurda e prometeu recorrer do afastamento. Para o governador, Perri perdeu a imparcialidade necessária para conduzir a investigação.
Contra
Aliás, o Ministério Público Estadual (MP) foi contra o afastamento de Jarbas, mas o parecer do órgão foi ignorado pelo desembargador. Outra crise que pode se tornar institucional em breve, uma vez que esta não é a primeira vez que o magistrado ignora o posicionamento do MP.
Substituto
Embora acredite que a decisão de Perri seja revertida em breve, Taques já estuda quem será o novo titular da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp). O mais provável é que algum dos secretários adjuntos seja alçado à condição de titular.
À espera
O ex-prefeito de Acorizal, Meraldo Sá (PSD), está aguardando a convocação por parte da Assembleia Legislativa para ocupar a cadeira do deputado afastado, Gilmar Fabris (PSD), preso preventivamente por decisão do Supremo Tribunal Federal (STF).
Semana que vem
O mais provável, se a decisão do ministro Luiz Fux não for revista, é que a posse de Sá ocorra já na próxima semana. Até lá é esperada a resposta a uma consulta feita pelo presidente do Legislativo, Eduardo Botelho (PSB), sobre a situação de Fabris.
Mais bomba
O ex-deputado José Geraldo Riva desistiu de uma série de recursos que tramitavam no Supremo Tribunal Federal (STF). Este é mais um indício de que está próxima a data em que seu acordo de colaboração com o Ministério Público será homologado. Se isso se confirmar, será momento de mais choro e ranger de dentes na classe política.
07
09

MT: Rodrigo Barbosa e Pedro Elias dividiam propina paga por locadora de veículos

1Por Jessica Bachega

O filho do ex-governador Silval Barbosa, médico Ricardo Barbosa, disse em sua delação que ele e o ex-secretário de Administração, Pedro Elias, dividiam a propina paga pela empresa Sal Locadora. Ricardo ficava com a maior parte do valor e a cobrança era feita sem o conhecimento de seu pai.

 

LEIA A MATÉRIA NA ÍNTEGRA AQUI.

 

 

30
08

MT: Silval revela quais deputados pediram R$ 1 milhão de propina do MT Integrado

1Por Jessica Bachega

O ex-governador Silval Barbosa (PMDB) afirma em sua delação que deputados exigiram que ele pagasse R$1 milhão para que as contas do Executivo fossem aprovadas e não atrapalhassem os projetos de interesse do governo. Após negociação, o valor pago foi reduzido para R$ 600 mil e os recursos para o “agrado” vieram de desvios nas obras da Copa do Mundo e do programa MT Integrado.

 

LEIA A MATÉRIA NA ÍNTEGRA AQUI.

 

 

23
08

Improvável marca novo trecho de delação de Silval

A revelação da existência de um acordo envolvendo o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) e o atual, Pedro Taques (PSDB), que teria sido firmado em 2014, beira o inverossímil. A informação – que estaria no acordo de delação do peemedebista com a Procuradoria-Geral da República (PGR) – aponta que em troca de um “corpo mole” de Silval no apoio a seu candidato à época, o ex-vereador Lúdio Cabral (PT), Taques não investigaria as contas de suas campanhas. Vamos aos fatos.

 

Momento político

Em 2014, a gestão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) estava entre as mais mal avaliadas da história, enquanto Taques, com quatro anos de Senado, despontava como candidato natural da oposição ao peemedebista, uma vez que o grupo que estava à época na situação sofria com a enorme rejeição ao candidato do PT. Taques venceu com folga a disputa, ainda no primeiro turno.

 

Fora do quadro

Apontado como articulador do acordo, o ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), se manteve completamente fora do processo eleitoral daquele ano. Além de ter grande parte dos seus amigos ao lado de Taques, o senador licenciado, à época no PR, possuía sérias divergências com Lúdio e não escondia o fato de ninguém.

 

Suspensão

Logo após tomar posse como governador, Taques determinou a suspensão de todos os pagamentos dos restos da gestão de Silval, conseguindo reverter a quitação de diversos repasses feitos no apagar das luzes pelo peemedebista. A medida não demonstra a existência de nenhum acordo político entre os dois.

 

Auditorias

Além de suspender os pagamentos feitos no final da gestão de Silval, Taques determinou a realização de diversas auditorias, que constataram irregularidades em várias áreas da administração pública, uma delas, em especial, a questão da concessão dos incentivos fiscais. Foi graças a este trabalho, inclusive, que a Polícia Civil começou a Operação Sodoma, que culminou com a prisão de Silval e da organização criminosa chefiada por ele.

 

Luz

Embora seja reconhecida a boa intenção do ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, que homologou a delação de Silval e a mantém em sigilo, parece ser razoável dar publicidade aos anexos do acordo para que todos os citados possam se defender das acusações. Vale lembrar que o ônus da prova, ou seja, a obrigação de provar, ainda cabe a quem acusa.

 

Na telinha

Uma parte dos deputados estaduais adotou um hábito diário: acompanhar o noticiário do Estado na TV. Eles sabem que, mais dia, menos dia, revelações de atos nada republicanos ditos por Silval, os atingirão. Ainda mais porque há a informação de que alguns destes encontros foram gravados.

 

Licença

Por falar em Assembleia Legislativa, o deputado Eduardo Botelho (PSB) deve se afastar por cerca de 10 dias de suas funções. Com isso, provavelmente a Proposta de Emenda à Constituição (PEC), que estipula um teto nos gastos públicos, tramitará sob as ordens do vice-presidente da Casa, Gilmar Fabris (PSD).

 

Estamos juntos

O empresário Eraí Maggi (PP) descartou qualquer chance de ser candidato ao governo e de se tornar oposição ao governador Pedro Taques (PSDB). Ele rebateu as afirmações do presidente estadual do PP, Ezequiel Fonseca, e aconselhou o parlamentar a ouvir mais as bases.

 

Podemos

Depois de espernear, fazer beicinho e reclamar, o senador José Medeiros deixou o PSD e assinou sua filiação ao Podemos. Resta saber se a sigla caminhará com Taques nas eleições do ano que vem ou se o ex-suplente do atual governador migrará para a oposição.

12
08

Blairo volta a ser alvo de ataques orquestrados

 

O ministro da Agricultura, Blairo Maggi (PP), voltou a ser alvo de ataques na imprensa nacional. Citando a delação do ex-governador Silval Barbosa (PMDB), reportagem veiculada nesta sexta requenta um assunto que já havia sido superado, inclusive com a absolvição do ministro no Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Coincidência

O ataque, coincidência ou não, ocorreu no mesmo dia em que ele foi elogiado pelo presidente Michel Temer (PMDB), por sua atuação à frente do Ministério da Agricultura. A pasta tem sido apontada como grande responsável por minimizar a grave crise econômica pela qual passa o Brasil.

 

Resposta

Sabedor de que é alvo de uma campanha por conta de seu potencial para as eleições do ano que vem, Blairo tratou de assegurar que assim que tiver acesso ao teor da possível delação de Silval, usará de todos os meios legais necessários para se defender. “Definitivamente acredito na Justiça. O momento exige serenidade e responsabilidade”.

 

Mudança

Ainda em Lucas do Rio Verde, Blairo voltou a defender a mudança do modal de transporte a ser implementado em Cuiabá e Várzea Grande, com a volta do Bus Rapid Transport (BRT) projeto que, por sinal, foi elaborado ainda na gestão do ministro à frente do Estado.

 

Vende-se

Maggi destaca que uma alternativa seria a venda dos trilhos, vagões e sistemas como forma de minimizar os prejuízos causados pela mudança, capitaneada pelo ex-governador Silval Barbosa (PMDB), que confessou ter recebido propina por conta da obra.

 

Banal

Aliás, a delação do ex-governador, que confessou ser chefe de uma organização criminosa, mostra o quão banal está o instituto, que é importante para que se desvendem crimes, mas tem sido usado por alguns como forma de garantia ante eventuais punições pesadas.

 

Animado

Voltando a falar do evento em Lucas do Rio Verde, o presidente Michel Temer (PMDB) se mostrou satisfeito e animado com os resultados alcançados pelo agronegócio em Mato Grosso.

 

Reformas

Já o governador Pedro Taques (PSDB) defendeu a continuidade das reformas como a melhor alternativa para o país sair da crise. O tucano disse ainda confiar no presidente como a pessoa indicada e com visão de futuro para tocar as mudanças necessárias.

 

Análise

Relator da sindicância que tramita no Superior Tribunal de Justiça (STJ) e trata da Grampolândia Pantaneira, o ministro Mauro Campbell Marques deverá analisar o procedimento que tramita na Justiça de Mato Grosso para checar se está em curso ou não a chamada usurpação de competência.

 

Solto

Somente 20 horas após o despacho do STJ, Reynaldo Soares da Fonseca, é que o ex-secretário chefe da Casa Civil, Paulo Taques, conseguiu deixar o Centro de Custódia de Cuiabá (CCC). A demora se deve ao recesso forense desta sexta-feira (11), Dia do Advogado.

02
08

Blog do Mauro no Hipernotícias

 

Ministro do STF confirma delação de Silval

Fato negado há meses por seus advogados de defesa, a delação do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) existe e está prestes a ser homologada. A informação foi confirmada nesta quarta-feira (2), pelo ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux, encarregado da análise do material.

 

Monstruoso

Embora não tenha dado nenhum detalhe sobre a delação, Fux afirmou que os depoimentos de Silval trazem informações “monstruosas”, só menos importantes que as levantadas no âmbito da Operação Lava Jato. Por ser homologada no STF, a delação traz – com certeza – informações sobre políticos com prerrogativa de foro por função.

 

Haja remédio

Com a confirmação, a correria às farmácias em busca de calmantes tende a aumentar. Circulam na cidade informações sobre episódios graves, que atingem membros e ex-integrantes de todos os poderes, que teriam sido narrados por Silval. Agora é aguardar.

 

Perdendo o bonde

O ex-prefeito Mauro Mendes (PSB) corre o risco de perder o bonde e acabar sozinho no processo de mudança de partido. Enquanto boa parte dos dissidentes do PSB de Mato Grosso já se definiu e seguirá para o DEM, Mendes insiste e postergar a decisão.

 

Rixa antiga

Mendes já se mostrou uma pessoa rancorosa nas eleições municipais do ano passado, quando se recusou a apoiar o candidato de seu grupo, Wilson Santos (PSDB) que aceitou a missão de substitui-lo aos 45 minutos do segundo tempo depois que ele desistiu de tentar a reeleição. Agora, o alvo é o ex-senador e líder do DEM no Estado, Jayme Campos.

 

Esperançosos

O comportamento de Mauro traz esperança para a oposição, que ainda sonha com uma “traição” do ex-prefeito ao governador Pedro Taques (PSDB) para ter um nome com peso para enfrentar o tucano, que deverá tentar a reeleição. Outro esperançoso é o senador José Medeiros (PSD), que pode recuar de sua provável mudança de lado, rumo ao Partido da República, e fazer uma dobradinha com Blairo Maggi (PP).

 

Preocupado

Por outro lado, o deputado Fábio Garcia (PSB), a caminho do DEM, tende a perder muito sem a companhia de Mendes na sua tentativa de se lançar à reeleição. A ausência do apoio do ex-prefeito pode representar uma redução no número de votos e colocar a cadeira na Câmara dos Deputados em risco.

 

Blairo sobe

O comportamento do “centrão” na votação da admissibilidade da denúncia oferecida pelo procurador Rodrigo Janot contra o presidente Michel Temer (PMDB) fez aumentar o prestígio de diversas siglas para o governo. Entre elas o PP, do senador licenciado e ministro Blairo Maggi (PP), que pode ter mais cargos na administração pública federal. Já o PSDB, que não se mostrou tão empenhado, deve perder espaço.

 

Semana que vem

O governador Pedro Taques (PSDB) vai se reunir com sua base de apoio na Assembleia Legislativa no início da semana que vem para tratar das principais ações para este semestre. Em pauta, a proposta (que é discutida a quase um ano) estabelece um teto aos gastos da administração pública e uma minirreforma administrativa.

 

Tesoura

Por falar na reforma, a ordem é usar bastante a tesoura em cargos e gastos. Embora sem grande amplitude, a promessa nos corredores do Palácio Paiaguás é cortar despesas, com vistas a conseguir fechar as contas deste ano.

01
08

Blog do Mauro no Hipernotícias

 

Marcel, o novo homem-bomba dos grampos

É grande o rumor de que o ex-secretário Marcel Souza de Cursi vai detonar mais uma grave crise no já tumultuado episódio dos grampos. Nesta semana, ele deve falar sobre uma suposta quebra de sigilo fiscal, cometida dentro da Secretaria de Estado de Fazenda (Sefaz/MT), há alguns anos.

 

Quem mandou

No depoimento, Cursi deverá apontar membros do Ministério Público Estadual (MP), que teriam quebrado sigilos de membros do Poder Judiciário, incluindo juiz, desembargador e até pessoas próximas a um membro de Corte Superior.

 

Mais problemas

Um magistrado que teria sido vítima das supostas quebras, inclusive, já possui em mãos documentos que comprovariam a prática, segundo fontes da coluna. Resta saber se haverá e qual será o andamento de tais denúncias.

 

Sindicância

A denúncia que deverá ser feita por Cursi não é novidade nos corredores da Sefaz/MT. Por lá, tramita uma sindicância, aberta no ano passado, exatamente para apurar tais práticas, quando o ex-secretário revelou tais informações ao ser interrogado em uma ação penal decorrente da Operação Sodoma.

 

Comum

Sobre este assunto, quebras clandestinas de sigilo, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), Gilmar Mendes, afirmou que casos deste tipo estão sendo descobertos em vários Estados, inclusive no Distrito Federal.

 

Mesmo tom

De passagem por Cuiabá, Mendes manteve o tom crítico quanto a alguns aspectos da atuação do Ministério Público Federal (MPF), no âmbito da Operação Lava Jato. Ele criticou, por exemplo, as conduções coercitivas, fruto, segundo Mendes, de um “direito achado na rua”, sobretudo quando envolvem pessoas que sequer haviam sido intimadas a prestar esclarecimentos.

 

Averiguação

O ministro destacou que em Portugal, ao ser questionado por colegas sobre o fato, ouviu deles que lá, assim como em muitos países, a condução coercitiva é conhecida como prisão para averiguação, ou seja, tem os mesmos efeitos de uma prisão, o que é grave sobretudo quando se tratam de pessoas inocentes.

 

Revisão

Mendes pontuou ainda que algumas delações, com graves falhas, como a fixação de penas feita pelos próprios procuradores e promotores, devem ser revistas em breve. Na lista estão o ex-senador Delcídio do Amaral, Ségio Machado e os irmãos Joesley e Wesley Batista, donos da JBS.

 

E os outros?

Aliás, não custa nada perguntar, quais são os outros 1,9 mil políticos citados pelos executivos da JBS e quais foram os andamentos das investigações contra eles? A sociedade precisa saber.

 

Segunda instância

Outra questão que em breve será debatida no Supremo, adiantou o ministro, é a prisão de condenados após decisão de segunda instância, que foi autorizada pelo STF, mas conta ainda com muitas controvérsias, que precisam ser melhor discutidas.

11
07

Suposta delação ‘bagunça’ cenário político

Revelada pelo jornal O Estado de S. Paulo, a suposta delação premiada do ex-deputado José Geraldo Riva tem tudo para dificultar ainda mais qualquer prognóstico da corrida eleitoral do ano que vem. Conforme o jornal, um dos casos que teriam sido relatados por ele atinge em cheio o ministro Blairo Maggi (PP), que deverá tentar a reeleição ao Senado.

 

Desistência

A possível candidatura à presidência não está descartada, mas até se quiser buscar mais oito anos de Senado o ministro Blairo Maggi terá que ver superadas as notícias negativas envolvendo seu nome . A amigos, inclusive, ele teria confidenciado que poderia desistir da política e voltar ao mundo corporativo, onde é um empresário de sucesso.

 

Sem delação

Já Riva, por meio de seu advogado, negou que tenha feito qualquer tipo de acordo com a Procuradoria-Geral da República (PGR), classificando a informação como mentirosa. Vale lembrar que o ex-secretário Pedro Nadaf passou meses negando uma delação, hoje homologada pelo Supremo Tribunal Federal (STF).

 

Desespero

Observa-se que existe um enorme esforço de incluir Blairo Maggi nas delações premiadas, como forma de garantir a homologação de um acordo. Oproblemaé que não basta denunciar. É preciso apresentar provas. Blairo tem a imagem arranhada pela midia negativa, mas está longe de ser considerado culpado pelos fatos a ele atribuidos em delações não confirmadas.

 

Tirando o foco

O promotor de Justiça Mauro Zaque acusou o secretário de Justiça, Airton Benedito Siqueira Júnior, de tentar desviar o foco no caso dos grampos clandestinos. Para ele, a inclusão nos autos de informações relativas a 2007 não guarda nenhuma relação com a investigação atual.

 

Clima ruim

Dentro do Ministério Público Estadual (MP) o clima passa longe de ser bom. Ninguém tem mais dúvidas que algumas figuras graúdas do órgão acabarão chamuscadas por conta da investigação dos grampos. Dois grupos travam uma batalha silenciosa na tentativa de controlar as ações.

 

Unidos

Por outro lado, entre os membros do Tribunal de Justiça, há a clara percepção que as acusações contra o desembargador Orlando Perri atingiram todo o Judiciário. Pelo menos em um primeiro momento, estão todos unidos na defesa do magistrado.

 

Troca de farpas

A situação do presidente Michel Temer (PMDB) tem causado ruídos entre políticos de partidos aliados em Mato Grosso. Um senador e um deputado federal não escondem de mais ninguém as divergências, a um passo, inclusive, de se tornarem ofensas.

 

Delação

Depois de Pedro Nadaf, o procurador aposentado Francisco Gomes de Andrade Lima Filho, o Chico Lima, está perto de fechar um acordo de delação premiada com o Ministério Público Estadual (MP). Além da confissão, novidades fazem parte do pacote.

 

Mudança

A crise no cofre da União poderá representar uma mudança no quadro societário da Águas Cuiabá. A BNDES Par pode tirar o time de campo e ser trocada por um novo investidor que pode aportar na sociedade R$ 70 milhões de cara.

 

Novela sem fim

Por falar em Águas Cuiabá, empresa que pode assumir o saneamento da Capital, já passou da hora do prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB) resolver a questão. Sem experiência no Executivo, o político tem confundido, neste e em outros episódios, segurança com letargia.

06
07

Blog do Mauro no Hipernotícias

 

Mais convênios sob suspeita; agora é a Uniselva

No oferecimento de denúncia contra 22 pessoas por suspeita de participação no esquema desmantelado com a Operação Convescote, o Gaeco levanta a possibilidade de que outras entidades foram usadas para o desvio de recursos por meio de convênios, a exemplo do que ocorria com a Faespe. Uma destas fundações é a Uniselva, que tem um convênio mantido com o Tribunal de Contas do Estado (TCE).

 

Vem mais por aí

É certo que mais empresas e pessoas sejam alcançadas pela investigação. A denúncia só foi oferecida nesta quarta-feira (5) porque há investigados presos preventivamente e, por conta disso, há prazos a serem cumpridos.

 

Inocentados

Alysson Sander de Souza e Fabricio Ribeiro Nunes Domingues, servidores que atuam na Assembleia Legislativa de Mato Grosso e foram conduzidos coercitivamente na última semana, foram inocentados após o Gaeco não ter encontrado nenhum indício da participação deles no esquema.

 

Clima tenso

Nos corredores da Assembleia Legislativa e do Tribunal de Contas do Estado o clima é tenso. Não há dúvidas entre os funcionários dos dois órgãos que a investigação envolverá nomes “graúdos” e que isso é questão de tempo.

 

Delação de Nadaf

Supostamente citados na delação do ex-secretário Pedro Nadaf, o ministro Blairo Maggi (PP) e o deputado Carlos Bezerra (PMDB) negaram qualquer eventual participação em atos ilícitos. Vale destacar que a colaboração, homologada pelo STF, segue sob sigilo.

 

Copia e cola

Lamentavelmente, um fato tem se tornado corriqueiro: o famoso “copia e cola” em editais de concurso público. Desta vez, ocorreu com o certame da Secretaria de Estado de Educação. Para o cargo de professor de História, o edital exige conhecimento da história do Espírito Santo.

 

Erramos

Após se dar conta do erro, a Seduc emitiu nota dizendo que a exigência foi um “equívoco” da equipe que elaborou o conteúdo programático das provas. A orientação da Seduc é que “sejam exigidos dos candidatos conteúdos que reforcem os saberes em história, geografia e literatura mato-grossenses”. Uma errata deverá ser publicada em breve.

 

Comprando

Representantes do Banco Mundial (Bird) levantaram a possibilidade de compra da dívida que o Estado de Mato Grosso tem com o Bank of America. Com taxa de juros atrelada à variação cambial, a operação realizada na gestão do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) tem drenado muitos recursos do Tesouro Estadual.

 

Sem prazo

O prefeito Emanuel Pinheiro (PMDB) adiou o início da emissão de multas via monitoramento eletrônico em Cuiabá. Segundo ele, a população ainda não foi “devidamente esclarecida” sobre o fato. Não há prazo para o início das autuações.

 

Cuiabá 300

Pinheiro pretende encaminhar, em regime de urgência, a proposta para a criação de uma secretaria especial para o desenvolvimento de ações para os 300 anos de Cuiabá. Um grupo de vereadores pretende barrar o projeto, considerando-o um gasto desnecessário.

05
07

Blog do Mauro no Hipernotícias

 

Delação de Nadaf tem arsenal contra figurões

O ex-secretário Pedro Nadaf não poupou ninguém em seu acordo de colaboração premiada. Durante o depoimento que prestou à Justiça nesta terça-feira (4), ele chegou a ser questionado pelo advogado de um dos réus na Operação Sodoma a respeito do assunto e chegou a citar nomes.

 

 

Sob sigilo

Além de se negar a responder a pergunta do advogado, que questionou o ex-secretário sobre o fato dele ter dito que repassou recursos para tais pessoas, Nadaf contou com o apoio da juíza Selma Arruda, que indeferiu a pergunta e lembrou que a íntegra da colaboração segue sob sigilo.

 

Só 10%

Outro que pode ter munição para alvejar alguns personagens do universo político é o ex-presidente da Metamat, José Justino Paes de Barros. Ele confessou que lucrou R$ 20 mil adquirindo ouro a mando de Nadaf, mas isso corresponde a apenas 10% do que devolveu em seu acordo de delação. Os outros 90%, dizem, correspondem a outras operações, devidamente delatadas.

 

Menos de 1%

Uma pessoa que tem amplo conhecimento das investigações, sobretudo pelo fato de fazer parte do rol de investigados em várias operações, garante que a chance da delação de Nadaf atingir o ministro Blairo Maggi (PP) é de menos de 1%.

 

Cadeirada

Aliás, Nadaf confirmou que o ex-governador Silval Barbosa (PMDB) quase apanhou do empresário Valdir Piran dentro do Palácio Paiaguás, depois de ter pago uma dívida com cheques sem fundos. O peemedebista foi salvo por Nadaf de ter levado uma cadeirada, mas não escapou de ser chamado de “picareta”.

 

Olho nele

Nesta quarta-feira (5) será a vez do ex-governador Silval Barbosa (PMDB) prestar seu depoimento. Mas há quem aposte que seu chefe de gabinete, Sílvio Cezar Corrêa Araújo, que também irá depor, tem tudo para roubar a cena do alto de sua função de operador do político no que se refere a negócios nada republicanos.

 

De surpresa

Pegou o mundo político de surpresa a mudança no comando da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Econômico (Sedec). Sai Ricardo Tomczyk, que pediu para sair e voltar à iniciativa privada, e entra Carlos Avalone Júnior (PSDB), suplente de deputado estadual.

 

Ressureição

A mexida, mais uma no staff do governador Pedro Taques (PSDB) foi classificada por diversas pessoas próximas ao governo como a ressureição de Avalone, nos últimos anos relegado aos bastidores. Vale destacar que ele já ocupou este cargo no governo de Dante de Oliveira.

 

Alvoroço

Causou alvoroço o lançamento do edital do concurso público para profissionais da educação básica, lançado nesta terça-feira pelo governo. Diversos sites ficaram congestionados por conta do número de pessoas em busca de informações sobre o certame. Ao todo, são 5.748 vagas, sendo 3.324 para o cargo de Professor da Educação Básica, 1.496 para Apoio Administrativo Educacional e 928 para Técnico Administrativo Educacional, além de cadastro de reserva de 50% do total de vagas.

Publicicade

Publicicade