28
10

Missão parlamentar do Irã quer mais alimentos do Brasil

1Por Stênio Ribeiro

Agência Brasil

Integrantes da Comissão de Agricultura da Assembleia Consultiva Islâmica do Irã estiveram nessa terça-feira (27) com a ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Kátia Abreu, e solicitaram cooperação brasileira para atender à crescente demanda por alimentos naquele país.  Os deputados iranianos também mostraram interesse em firmar parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) para intercâmbio de profissionais e pesquisa em vacinas e produtos transgênicos. O presidente da comissão, deputado Abas Rajaei, disse que a República Islâmica do Irã prevê que em 20 anos sua população passará dos 80 milhões atuais para 150 milhões, e o crescimento será acompanhado por aumento da produção própria e da importação de alimentos.  A reunião com a ministra da Agricultura foi acompanhada pelo embaixador do Irã no Brasil, Mohammad Ali Ghanezadeh, e pelo deputado federal Wadson Ribeiro (PCdoB-MG). 

De acordo com Rajaei, os iranianos consomem diariamente, em média, 29 gramas de proteína, e o governo pretende dobrar esse consumo em 15 anos, o que poderá significar grandes oportunidades de negócios para o Brasil, que é o principal fornecedor de carne bovina para o Irã.

Números da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carne (Abiec) mostram que o Irão foi o oitavo entre os maiores compradores de carne bovina brasileira, em setembro, no total de US$ 24,7 milhões. No acumulado do ano sobe para sexto no ranking, com importações equivalentes a US$ 287,7 milhões.

Segundo Rajaei, Brasil e Irã têm tido boa colaboração nos últimos anos, e “desejamos que se desenvolva ainda mais”. Ele ressaltou que apesar de países mais próximos ao Irã, geograficamente, como Cazaquistão, Ucrânia e Austrália, que podem oferecer os produtos agrícolas necessários, “queremos continuar nosso bom relacionamento comercial com o país amigo que é o Brasil”.

A ministra disse que o Brasil está pronto para ampliar as exportações de carne bovina. “Temos todas as condições de ajudar a cumprir essa importante meta de aumentar o consumo de proteína no país”, destacou ela, e acrescentou que o Brasil prioriza o cuidado com normas sanitárias e fitossanitárias, a fim de transmitir confiança aos consumidores internos e externos.  Kátia Abreu disse ainda que os produtores brasileiros têm amplas condições de cumprir as exigências do abate halal (forma como os animais devem ser abatidos para consumo dos muçulmanos).

Quanto à intenção de parceria com a Embrapa, a ministra também manifestou apoio. “Em 40 anos fizemos uma verdadeira revolução verde. Segundo ela, o Brasil passou de importador de alimentos para a maior agricultura tropical do planeta. Para Kátia Abreu, a Embrapa é parte importante dessa mudança, pois gerou muito conhecimento. “Hoje temos muito orgulho em dividir nossa experiência e conhecimento. Contem conosco”, disse.

A missão iraniana faz parte da estratégia de aumento do comércio bilateral, atualmente favorável ao Brasil, que no ano passado exportou US$ 1,4 bilhão para o Irã e importou apenas US$ 5 milhões em produtos daquele país. O Brasil vendeu principalmente milho em grão (60,9%), carne bovina (19%), farelo de soja (7,1%) e açúcar (6,7%), enquanto as compras maiores foram de uvas (31,6%), polímeros plásticos (29%) e objetos de vidro para uso doméstico (7,6%).

 

 

Comentários

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Publicicade

Publicicade