04
12

Procurador diz que não houve “nada irregular” em contatos de Fux com réus

Por Márcio Falcão e Felipe Seligman

BRASÍLIA, DF (Folhapress) – O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, saiu em defesa do ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Luiz Fux e disse que não houve “nada irregular” nos contatos dele com réus do mensalão, como o ex-ministro José Dirceu, quando articulava sua indicação para o tribunal.

Gurgel ligou a informação ao que chamou de campanha de desmoralização do Supremo e do Ministério Público patrocinada por “inconformados com o resultado do julgamento”, que teria ainda tentado incluir o nome dele no relatório da CPI do Cachoeira do Congresso Nacional.

Reportagem da Folha de S.Paulo, publicada domingo, revelou que em campanha para o Supremo o ministro se reuniu com José Dirceu, o mais célebre réu do mensalão, além do deputado João Paulo Cunha (PT-SP), que também foi condenado no julgamento.

“Fux, na entrevista, que concedeu demonstra que nada houve de irregular.” Em meio à análise do processo, no qual tem sido implacável com os réus, os encontros com os petistas foram se espalhando no PT, na comunidade jurídica e repercutindo com pelo menos seis ministros do tribunal.

O procurador-geral, no entanto, minimizou as articulações de Fux e elogiou sua atuação no cargo, que ele ocupa desde fevereiro de 2011, tendo sido o primeiro ministro indicado pela presidente Dilma Rousseff para os tribunais superiores.

“A nomeação para o Supremo envolve contatos e o que o ministro Fux mostra é que nada de irregular foi feito. Fux é um magistrado exemplar que tem tido atuação exemplar na ação penal 470 [mensalão]”, afirmou.

Questionado se o episódio teria relações com retaliações do PT, o procurador concordou.

“Na verdade é que teremos ainda, mesmo após a conclusão do julgamento, algumas tentativas de desmoralização de pessoas do Supremo e do Ministério Público”, disse. “Eu acredito que isso [se deve] prolongar por algum tempo. Digamos que são alguns inconformados com o resultado do julgamento”, completou.

Comentários

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Publicicade

Publicicade