02
04

CARANDIRU: “PMs deveriam ser homenageados”, diz advogado de defesa

1Por Marina Gama Cubas e Reynaldo Turollo Jr. 

SÃO PAULO, SP, (Folhapress) – A defesa dos 15 policiais militares acusados por oito mortes no massacre do Carandiru usou boa parte das duas horas destinadas à tréplica, na tarde de hoje, para ler e comentar pareceres de procuradores de Justiça que apontariam falhas na acusação do Ministério Público.

Nesta fase, estão sendo julgados 15 policiais militares do COE (Comando de Operações Especiais) que atuaram no terceiro andar do pavilhão 9, em outubro de 1992. 

O advogado dos réus, Celso Vendramini, destacou trechos dos documentos que apontavam a necessidade da entrada dos PMs na prisão para conter a rebelião, pois havia risco do motim se alastrar e já não havia possibilidade de negociação com os presos.

“Aqueles homens, que deveriam ser homenageados por ter tido a coragem de entrar lá, estão sentados no banco dos réus”, disse o advogado, ao elogiar os PMs que “enfrentaram as agressões dos detentos”.

A defesa reiterou a tese de que não é possível identificar a autoria de cada morte. Em tom menos duro que no julgamento anterior, mas ainda tentando impressionar os jurados, Vendramini chegou a dizer que atos injustos retornam para aqueles que os cometerem.

“Não pensem que irão escapar da lei do carma”, afirmou o advogado aos jurados, para o caso de eles optarem pela condenação. “Existe uma Justiça divina acima desta”, disse.

 

“Revanchismo” 

A defesa voltou a dizer que o revanchismo e ódio por militares, resquício da época da ditadura militar, não devem influenciar as decisões dos sete jurados.

Por volta das 15h20, o juiz Rodrigo Tellini encerrou o debate e encaminhou os jurados para a sala secreta, onde eles deverão responder cerca de 600 questões que irão condenar ou absolver os policiais. A sentença deve ser anunciada hoje à noite.

Devido ao grande número de réus e de vítimas, o julgamento está sendo feito em etapas, conforme os andares do antigo prédio da Casa de Detenção. Ao todo já foram condenados 58 PMs pelas mortes ocorridas no primeiro, segundo e quarto andares. Eles recorrem em liberdade.

 

Comentários

0 Comentários

Deixe o seu comentário!

Publicicade

Publicicade